Esterilização de equipamentos odontológicos. 3 principais erros que você comete

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

esterilização de equipamentos odontológicos

esterilização de equipamentos odontológicos

Sabemos que os materiais utilizados na Odontologia, assim como na Medicina, podem ser veículos de contaminação. Em contato frequente com sangue, saliva e secreções, eles podem transmitir diversas doenças se não higienizados e esterilizados corretamente. Os profissionais das equipes odontológicas e médica é que ficam mais vulneráveis a essas doenças.

Para evitar contaminações, alguns procedimentos são essenciais. O conjunto destes procedimentos é o que chamamos de biossegurança. Muitos hospitais e clínicas contam com manuais de biossegurança para serem consultados e seguidos pelos seus profissionais. Isto porque há diferenças entre as técnicas de higienização e esterilização de equipamentos odontológicos, que contém diversos tipos de materiais e diferentes usos.

Na Odontologia, eles são separados entre materiais críticos, semi-críticos e não críticos. Sendo que o crítico é composto por materiais que penetram em tecidos ou órgãos, os semi-críticos são aqueles que entram em contato, mas não penetram, e os não críticos são aqueles que entram em contato somente com a pele integra, como termômetros, por exemplo.

Esta diferenciação afeta na higienização e esterilização de equipamentos odontológicos. Enquanto que os críticos devem ser obrigatoriamente esterilizados, ou seja, passam por processo de destruição total dos micróbios, entre os semi-críticos há aqueles que passam pela autoclave, e outros que passam por uma desinfecção de alto nível. Já os não críticos passam somente pela desinfecção de médio e baixo nível.

Para que os profissionais zelem por sua segurança é que preparamos este artigo. Vamos apontar os principais erros cometidos quando o assunto é a esterilização de equipamentos odontológicos.

Não seguir normas de biossegurança

Os hospitais e outros ambientes de saúde, contam com manuais de biossegurança para serem seguidos e consultados pelos seus profissionais. Nestes manuais há a maneira correta de se realizar a esterilização de equipamentos odontológicos.

No manual de biossegurança há todos os passos para que os materiais fiquem descontaminados para que possam ser usados novamente nas demais intervenções. Geralmente a esterilização de equipamentos odontológicos é feita pelo Auxiliar de Saúde Bucal (ASB) nos consultórios e pelo instrumentador cirúrgico odontológico nos centros cirúrgicos.

Ao não seguir as normas de biossegurança que estão contidas no manual, os profissionais correm o risco de pular alguma etapa, o que pode significar riscos a toda equipe odontológica e demais pacientes do cirurgião dentista. Limpeza, secagem, embalagem, retirada. Enfim, os passos devem ser todos seguidos.

Esterilizar somente os equipamentos odontológicos utilizados

Nem sempre todos os equipamentos e materiais separados pelo instrumentador cirúrgico odontológico para compor a mesa cirúrgica são utilizados pelo cirurgião dentista durante a intervenção. Mas isso não significa que somente os materiais utilizados é que serão higienizados.

A esterilização de equipamentos odontológicos deve ser feita em todos os materiais que foram separados anteriormente e que estão à mesa. Isto porque os materiais utilizados contaminam os demais, mesmo que não ocorra o contato entre eles.

Esquecer a validade da esterilização de equipamentos odontológicos

Todos os processos do Manual de Biossegurança realizados e a esterilização de equipamentos odontológicos garantida? Mas este instrumental esterilizado tem um prazo para ser utilizado. O processo de esterilização tem uma validade. Eles podem ser utilizados dentro de um prazo de sete dias.

Isso se os equipamentos forem armazenados corretamente, em ambientes como gavetas ou sacos plásticos. Caso o armazenamento correto não seja feito, o processo de esterilização dos equipamentos odontológicos poderá perder o seu efeito.

Como verificamos, há muitos passos a serem seguidos pelos profissionais responsáveis pela esterilização de equipamentos odontológicos. É bom ressaltar que ao realizar os procedimentos corretamente, tanto os profissionais como os pacientes, ficam livres de contaminação como hepatite B e até o HIV.

Fique atento. E se surgir dúvidas, acesse o nosso blog que te ajudamos a resolvê-las.ceiaico_imagem_blog

Comentários no Facebook

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×